A STEINERT apresenta a separação seletiva de plásticos pretos na IFAT 2016

09 May 2016

Separar os plásticos pretos de forma seletiva? A maioria das máquinas separadoras óticas fracassam neste aspecto fundamental da reciclagem. Por isso, o Grupo Steinert, especialista na separação por ímãs e sensores, está lançando no mercado o UniSort BlackEye. Com este novo sistema de separação ótica, as empresas especializadas em reciclagem conseguem produzir grânulos mais puros, amortizando o investimento com rapidez graças ao alto valor agregado desse produto.

 

(Comunicado de imprensa PDF)

As empresas especializadas em reciclagem que produzem uma mescla de grânulos de polietileno e polipropileno (PE/PP) preto pagam atualmente no mercado cerca de 200 euros por tonelada de acordo com o percentual de PO. Se essas empresas contassem com a possibilidade de concentrar a mistura em frações de valor como PE e PP conseguiriam receber até 900 euros por tonelada desses grânulos. O problema: os sensores das máquinas separadoras óticas clássicas normalmente ainda não conseguem distinguir os plásticos pretos, pois a fuligem usada para escurecer esses plásticos absorve as radiações eletromagnéticas na gama de comprimento de onda visível e de infravermelhos. “O UniSort BlackEye preenche esta lacuna e permite a partir de agora a separação seletiva de componentes triturados em plástico preto”, afirma Hendrik Beel, presidente executivo do Grupo Steinert. “Uma vez que agora é possível produzir grânulos seletivos e portanto mais valiosos, o investimento é amortizado com rapidez”.

Tecnologia HSI: O aplicativo de análise informatizado detecta a impressão digital do plástico

O fundamento de todos os sistemas de separação é a unidade de detecção ao longo da correia transportadora, operada com uma tecnologia denominada geração de imagem hiperespectral (HSI). A tecnologia de imagem hiperespectral funciona da seguinte maneira: Uma fonte de luz ilumina os fragmentos de plástico na correia transportadora. Um sistema de câmera analisa a luz refletida. “No espectro desta luz refletida é possível detectar frequências que são características dos respectivos tipos de plásticos. Cada plástico tem praticamente a sua própria impressão digital”, explica Beel. “Em seguida, um software de análise desenvolvido no Grupo Steinert, consegue detectar com base nos espectros de referência definidos, objetos plásticos, de madeira, vidro, papel ou um objeto escuro.” Esta análise é particularmente fiável, porque a câmara não explora a correia de ponto a ponto, mas sim 320 pontos simultaneamente ao longo de toda a largura da correia. Desta forma, é possível detectar mesmo os mais pequenos nuances no espectro infravermelho(NIR).

Aplicações industriais mais eficientes: uma tonelada de fragmentos de plástico por hora

O que fazer quando o usuário deseja separar, por exemplo, poliolefinas como polietileno (PE) e polipropileno (PP)? Ou quando o usuário deseja remover da mistura outras substâncias como cloreto de polivinil (PVC), poliestireno (PS) e polímeros?

Nesse caso, o aplicativo informatizado envia os respectivos dados de posição ao sistema de ar comprimido acoplado na extremidade da correia transportadora. O sistema abre válvula de alta velocidade numa fração de segundo para que o impacto de ar comprimido separe o material desejado. Beel: “O UniSort BlackEye é rápido o suficiente para verificar correias com velocidades de até 4 metros por segundo e rastreia cerca de 35 milhões de pontos de detecção ou até 5 mil objetos por segundo. Isso permite aplicações industriais eficientes para componentes triturados em plástico com dimensão entre 10 mm e 30 mm”. Em média, o UniSort BlackEye oferece capacidade de uma tonelada de fragmentos de plástico por hora.

O sistema de estabilização assegura detecção com precisão superior

A Steinert incluiu ainda um sistema de estabilização denominado Active Object Control (AOC) para manter os fragmentos de plástico imóveis na correia transportadora mesmo com a alta velocidade da correia, garantindo assim elevada precisão de detecção. Este sistema gera uma corrente de ar com o mesmo sentido e a mesma velocidade da correia transportadora, pressionando os fragmentos na correia e mantendo-os na trajetória parabólica por trás da correia. “Assim, garantimos que os componentes em plástico dificilmente se moverão após a detecção e que os dados de posição no sistema de rejeição permaneçam exatamente os mesmos”, afirma Beel. “O sistema possibilita velocidade significativamente maior na correia, resultando em maior eficiência, diferentemente do que se verifica nos sistemas-padrão. Isso torna a separação ainda mais eficaz”.

Maior índice de reciclagem

Além de vasos para plantas, sacos de lixo, regadores de planta, vários outros produtos técnicos são muitas vezes compostos por plástico preto. Até agora, não era possível reciclar esses produtos. Isso se devia, por exemplo, ao fato de os polímeros leves chegarem às cargas minerais na fração de descida devido ao seu elevado percentual, pelo que já não era possível retornar ao processo de reciclagem. Portanto, o caminho dispendioso até a eliminação era programado previamente.

Com o novo sistema de separação da Steinert, as empresas especializadas em reciclagem agora conseguem diminuir seus custos e aumentar seus índices de reciclagem ao adquirir, por exemplo, essas frações de descida das empresas de gestão de resíduos, transformá-las em fragmentos de plástico, lavá-las, separá-las e, em seguida, comercializar os grânulos produzidos aos fabricantes de novos produtos em plástico.

Ou seja, a denominada reciclagem de materiais vem ganhando cada vez mais importância na indústria e no meio ambiente.

UniSort Black como ponto de partida para o UniSort BlackEye

A separação de plásticos pode ser feita em diferentes estações da cadeia de reciclagem, seja em empresas de gestão de resíduos como em empresas especializadas em reciclagem. A Steinert disponibiliza o maquinário adequado a essa tarefa. Por isso, a gama de produtos também inclui o UniSort Black, equipamento utilizado na Alemanha desde 2014, por exemplo, em instalações de separação de embalagens leves (LVP) dos contentores amarelos. Este equipamento separa os objetos escuros e pretos juntamente com os demais itens desperdiçados com a tecnologia de equipamento anterior por não serem normalmente detectados com a tecnologia NIR. Já o UniSort BlackEye consegue identificar e separar objetos pretos no fluxo de resíduos. “O UniSort BlackEye é o próximo passo natural na evolução das instalações de separação pois é capaz de diferenciar os plásticos pretos nas respectivas categorias PE, PP, PS e PVC”, acrescenta Beel. “Seguimos trabalhando aqui na Steinert para desenvolver tecnologias inovadoras de sensores para permitir a otimização dos processos na cadeia de agregação de valor”.